A ARCA - A arte em ser do contra!
 
Menu du jour! Tutu Figurinhas: o nerd mais bonito e inteligente dessas paragens destila seu veneno! GIBI: Histórias em Quadrinhos, Graphics Novels... é, aquelas revistinhas da Mônica, isso mesmo! PIPOCA: Cinema na veia! De Hollywood a Festival de Berlim, com uma parada em Nova Jérsei! RPG: os jogos de interpretação que, na boa, não matam ninguém! ACETATO: Desenhos animados, computação gráfica... É Disney, Miyazaki e muito mais! SOFÁ: É da telinha que eu estou falando! Séries de TV, documentários... e Roberto Marinho não está morto, viu? CARTUCHO: Videogames e jogos de computador e fliperamas e mini-games e... TRECOS: Brinquedos colecionáveis e toda tranqueira relacionada! Tem até chiclete aqui! RADIOLA: música para estapear os tímpanos! Mais informações sobre aqueles que fazem A Arca Dê aquela força para nós d´A Arca ajudando a divulgar o site!
Artigo adicionado em 16/07/2006, às 09:27

PIRATAS DO TIETÊ
E um balde de rum… Nada resume melhor os Piratas do Tietê do que seu criador Laerte: “Os Piratas apareceram na ‘Chiclete com Banana’, do Angeli. Quis misturar personagens de fantasia com realidade urbana, como já havia feito outras vezes. São bastante difíceis de trabalhar, muito rebeldes, românticos, porcos, estúpidos. O único que tem um […]

Por
Rodrigo "Machine Boy" Parreira


Nada resume melhor os Piratas do Tietê do que seu criador Laerte: “Os Piratas apareceram na ‘Chiclete com Banana’, do Angeli. Quis misturar personagens de fantasia com realidade urbana, como já havia feito outras vezes. São bastante difíceis de trabalhar, muito rebeldes, românticos, porcos, estúpidos. O único que tem um nome é o Jack; outros que tiveram não sobreviveram para contar. O capitão é o Capitão.” 🙂

Bem, interessados em saber mais, continuem a ler…

:: PRIMEIRO OS PIRATAS, DEPOIS AS MULHERES E AS CRIANÇAS

Laerte criou os personagens para uma pequena história que entrou na revista “Chiclete com Banana” em 1983. Desde então, nunca mais eles pararam de tecer seu humor violento. E logo também estrelaram nas páginas da revista “Circo”. A história deles é bem simples, são piratas frios de alma e gelados de coração, que ficam navegando pelo rio Tietê. E estão prontos para estripar, estuprar, saquear, matar, esquartejar e é claro tudo numa lenta e mortal tortura. É claro, recheado do humor negro já conhecido do Laerte.

A coisa deu muito certo, mas somente em 1990 eles estavam estrelando sua própria revista em quadrinhos que estreou com a frase na capa: “Comi muito a senhora sua mãe”. Cada edição mais sanguinolenta que a outra. O personagem principal da grande maioria das tiras é o Capitão. Que é um dos membros da gangue mais sanguinolento e ao mesmo tempo mais ignorante e burro – que às vezes surpreendia em seus “casos de amor”. Por conseqüência do sucesso da revista, o autor assinou com a Folha de São Paulo para produzir tirinhas para o jornal que durou até 2002. Os personagens também invadiram os jornais portugueses.

:: PIRATAS TAMBÉM AMAM

Sempre com historias bizarras, a parte amorosa também não poderia não deixar de ser também. Quando não vinham acompanhados de estupros ou de toques de dominação, as coisas pareciam ser mais estranhas ainda. Apesar da pinta de machões até os pêlos do sovaco, sempre na hora do amor, grande parte dos membros partiam para o “outro lado”. Apesar de que com eles não havia sexo, nem gênero e nem grau, tudo que tinhas duas pernas – não necessariamente duas – e andava, eles não tinham frescura e não perdoavam.Mas não havia história mais bizarra do que o conto de amor de um dos piratas com um Lobisomem. Sim, eles brigaram a doidado em toda história, mas terminaram numa grandiosa curra :O Sem contar com a passagem de nosso destemido herói vestido de morcego. Nossa, foi a deflagração sexual do personagem. Hilário!!

:: PERNAS DE PAU E UM PALCO

A coisa chegou a um tamanho que, em 2003 as aventuras, grotescas dos piratas ganharam os palcos de teatro. Pois é, a trupe teatral La Mínima levou o humor negro dos personagens Capitão e Jack para o palco do Teatro Popular do Sesi. A peça foi escrita pelo criador Laerte junto com o escritor Paulo Rogério Lopes. Com direção de Beth Lopes, mostrou a luta dos dois personagens para transformar suas peripécias num grande filme de sucesso, e com isto ganhar um importante prêmio chamado “Minhocão de Ouro”. Sim…atravessando as mídias.

:: RESUMO PIRATEADO

Bem, o humor pode parecer estranho para uns, grotesco demais para outro. Mas prova que Laerte já fazia um humor afiado e com uma grande dose de humor negro. Coisa que hoje muita gente vê, e acha que é novidade 🙂

Mas, como imagens valem mais do que palavras, chega de blá blá blá e dê uma olhada em algumas tirinhas.

:: UAU! Hoje, dia 14 de setembro, comemoramos 20 anos do lançamento do site https://t.co/ATRXN4js2w. Muita água rolou debaixo desta ponte ao longo dos últimos anos. Deu risada, deu briga, deu casamento. Mas deu, mais do que qualquer coisa, muito orgulho, isso sim.
:: Gente, tudo bem? Tamos vivos aqui, tá. E nos cuidando. Aproveitando #tbt, olha o crossover de @thiagocardim e @rpichuebas que rolou neste episódio do @imaginasepega! #tomevacina #VivaOSuS #usemascara #ForaBolsonaro
:: RT @AnimaSomPod: Faça como o @thiagocardim e contribua também com nossa campanha do @catarse! 😄 Nos ajude a bater a meta de R$ 500 e tenha…
:: ...e olha só que o filho da @francineguilen e do @rpichuebas chegou no Twitter. Segue lá!
:: RT @imaginasepega: Não importa se você é padawan ou mestre Jedi. Este episódio do #podcast @imaginasepega é pra você, homenagem ao #StarWar…

Quem Somos | Ajude a Divulgar A ARCA!
A ARCA © 2001 - 2007 | 2014 - 2021