A ARCA - A arte em ser do contra!
 
Menu du jour! Tutu Figurinhas: o nerd mais bonito e inteligente dessas paragens destila seu veneno! GIBI: Histórias em Quadrinhos, Graphics Novels... é, aquelas revistinhas da Mônica, isso mesmo! PIPOCA: Cinema na veia! De Hollywood a Festival de Berlim, com uma parada em Nova Jérsei! RPG: os jogos de interpretação que, na boa, não matam ninguém! ACETATO: Desenhos animados, computação gráfica... É Disney, Miyazaki e muito mais! SOFÁ: É da telinha que eu estou falando! Séries de TV, documentários... e Roberto Marinho não está morto, viu? CARTUCHO: Videogames e jogos de computador e fliperamas e mini-games e... TRECOS: Brinquedos colecionáveis e toda tranqueira relacionada! Tem até chiclete aqui! RADIOLA: música para estapear os tímpanos! Mais informações sobre aqueles que fazem A Arca Dê aquela força para nós d´A Arca ajudando a divulgar o site!
Artigo adicionado em 23/09/2005, às 12:33

Crítica: O VIRGEM DE 40 ANOS
É sobre amor, e não sobre lamber bolas, banho de marmotas ou currar cabras… :: Trailer 1: Alta | Média | Baixa :: Site oficial em inglês     DAVID: Como você pôde passar 40 anos sem nunca ter feito sexo?     ANDY: Eu não sei… acho que parei de tentar Quem é Andy Stitzer? Na verdade, a […]

Por
Paulo "Fanboy" Martini


:: Trailer 1: Alta | Média | Baixa
:: Site oficial em inglês

    DAVID: Como você pôde passar 40 anos sem nunca ter feito sexo?
    ANDY: Eu não sei… acho que parei de tentar

Quem é Andy Stitzer? Na verdade, a maioria nunca nota o almofadinha que trabalha no setor de estoque da Smart Tech, uma grande revendedora de produtos eletrônicos. Andy é aquele tipo de cara que não quer ser notado, e parece que não precisa se esforçar muito para isso; um típico nerd. Cal, responsável pelo transporte das mercadorias, acha que Andy é um assassino serial. Mesmo. Já o resto dos funcionários da Smart Tech simplesmente nem sabe que ele existe. E quer saber? Andy está feliz assim.

Será?

Certo dia, Cal, David e Jay não conseguem outro parceiro para o pôquer. Ei, por que não chamar o Andy? O cara parece gente boa. Afinal, um joguinho, algumas cervejas e falar sobre peitos é o que todo homem quer. Sem cobranças, sem chateações. Cal ainda acha que Andy vai matar todo mundo, mas tudo bem. Cartas vão, bebidas vêm, e o irritado do Mooj sai andando quando toma outro couro de Andy. Ele disse que treina jogando pela internet. Rapaz, esse cara deve passar bastante tempo conectado. De qualquer maneira, papo vai, papo vem, o assunto “mulher” aparece. É peito prá lá, vagabunda prá cá… até que Jay pede para Andy descrever uma das transas mais espetaculares que ele já teve…

E aí tudo vai por água abaixo: eles descobrem que Andy ainda é virgem. 40 anos nas costas e ainda virgem…

    JAY: De agora em diante, o seu pinto é meu pinto! Eu vou fazer você transar!

Aqui começa a saga de Andy, interpretado magistralmente por Steve Carell (de Melinda e Melinda e O Âncora, estreando no papel de protagonista), e de seus novos amigos – David (Paul Rudd, também de “O Âncora”), Jay (Romany Malco, de O Terno de Dois Bilhões de Dólares) e Cal (Seth Rogen, de Donnie Darko e que também participou de “O Âncora”) – que irão fazer de tudo para que Andy deixe de ser virgem o mais rápido possível!

Acredito que muitos devem estar se perguntando: “mas ninguém zoa o cara por isso”? Calma lá: Andy pode ter amigos muito bem intencionados, mas isso não quer dizer que o nerd ficará impune de uma ou outra gracinha. Mas eis uma das grandes vantagens de O Virgem de 40 Anos, filme produzido, escrito e atuado por Carell: um assunto que poderia facilmente cair para o puro e simples escracho acaba recebendo um tratamento muito bacana, e o mais importante: é genuinamente engraçado. Nada de piadas xulas, nada de pintos e bundas e peidos para lá e para cá.

    DAVID: Sabe como eu sei que você é gay? Você gosta de Coldplay

Claro, não vamos ser oito nem oitenta: afinal, o filme é adulto, lida com relacionamentos e sexo, então não espere uma comédia infantil. Mas a maneira com que Steve e o diretor Judd Apatow lidam com as bizarrices que começam a acontecer com Andy nessa busca pela relação sexual perdida é muito bacana, afinal é justamente na interpretação de Carell que mora a grande força do filme. Andy não soa forçado, é ingênuo sem parecer idiota, sofre sem que isso pareça dramalhão mexicano. Ele mostra um grande carisma na tela, e todas as suas cenas são escritas de maneira a aproveitar o que tem de engraçado em cada situação, e não em criar ações ridículas só para aproveitar uma piada, ou montar uma situação apenas com o intuito de rebaixar o personagem. Principalmente quando você começa a notar que talvez o mais problemático ali nem seja o próprio Andy, e sim seus amigos.

David, por exemplo, não consegue esquecer sua antiga namorada, mesmo depois dela ter dado o fora nele há dois anos, ter trocado o telefone, mudado de cidade e tudo mais, e fica chorando pelos cantos. Jay, mesmo morrendo de amores por sua namorada, sempre cai por qualquer rabo-de-saia. E Cal… bem, Cal é um cara estranho. Sério. “Cavalos e mulheres”? Eita… Agora imaginem esses caras e suas vidas pessoais tão ajustadas dando conselhos para alguém que mal consegue falar “oi” para uma mulher. Andy, na verdade, deveria se proteger desses caras…

    TRISH: Andy, você tem proteção?
    ANDY: Não, eu não gosto de armas

OS três amigos colocam o nerd em cada pataquada que vou te dizer: para melhorar o visual chinfrim de Andy, o cara acaba tentando depilar o peito – gerando uma das sequências mais engraçadas do filme – e chega a ir em um evento de paquera – o Date-a-palooza – para ver se consegue um encontro o mais rápido possível. E podem ter certeza: Andy se ferra bastante no decorrer do filme.

Aos poucos, você vai vendo que o filme não é sobre a descoberta do sexo, e sim do amor. A história mostra de tudo um pouco: a superação de um antigo amor, no caso de David; a redenção de um canalha inseguro, no caso de Jay; Cal… bem, o Cal também não passa despercebido; e, claro, teremos a chance de ver se Andy realmente deixa ou não de ser virgem no fim da película, e se ele ficará com a bela Trish (Catherine Keener, de Quero Ser John Malkovich). O filme é simplesmente imperdível! Sério mesmo! Eu adorei Penetras Bons de Bico, mas garanto que “O Virgem de 40 Anos” dá de dez a zero! Vão com fé! Comédia despretensiosa que tem tudo para agradar a todos!

    NERDS D’A ARCA: Amor? Redenção? Agradar? Peraí, Fanboy: você também é virgem??
    FANBOY: … Ora… vocês… vocês são hilários, mesmo…

:: CURIOSIDADES

– A antológica cena em que Andy é depilado não teve trucagem alguma: aquele lá é o próprio Steve Carell perdendo seus pelos peitorais! O ator havia conversado com o diretor Judd apatow sobre isso, antes de filmar: “Tinha que ser real. Não seria tão engraçado se eu estivesse apenas representando, ou se fosse algum efeito especial. Você tem que ver que está realmente acontecendo”. Para a cena, foram usadas cinco câmeras simultâneas e foi tudo feito em apenas uma tomada. Fico imaginando se algo tivesse saído errado… Ah, e os atores rindo em cena também são reais. ^_^

– Quando Cal e Andy estão andando pela livraria, o primeiro livro que aparece bem visível no canto superior esquerdo é Jon Stewart’s “America”. Carell já foi repórter e roteirista do programa The Daily Show, de Jon Stewart (não, não o lanterna verde).

– Carell ganhou 500 mil dólares para filmar “O Virgem de 40 Anos”, que teve um custo de produção total de 25 milhões de dólares e já faturou, até agora, mais de 80 milhões de dólares só nos EUA. Afe!- Há um filme chamado The 24 Year-Old Virgin, de 2003, que fala sobre um garoto que promete à namorada que só fará sexo depois de casado mas, ao descobrir um dia que ela o estava traindo, chega à vida adulta sem saber nada sobre o “bem-bom”. O diretor e roteirista do filme é um tal de Douglas J. Eboch, que escreveu o roteiro de Doce Lar (Sweet Home Alabama), que tem a gracinha da Reese Witherspoon no elenco. Alguém aí sabe se esse filme já passou em algum canal pago por aqui?

– Você nunca mais ouvirá a música Aquarius (é, aquela do musical Hair) da mesma maneira. Acredite em mim… ^_^

O Virgem de 40 Anos (Título original: The 40 Year-Old Virgin) / Ano: 2005 / Produção: EUA / Direção: Judd Apatow / Roteiro: Steve Carell e Judd Apatow / Elenco: Steve Carell, Catherine Keener, Paul Rudd, Romany Malco, Seth Rogen, Elizabeth Banks, Jane Lynch, Leslie Mann / Duração: 109 min

:: UAU! Hoje, dia 14 de setembro, comemoramos 20 anos do lançamento do site https://t.co/ATRXN4js2w. Muita água rolou debaixo desta ponte ao longo dos últimos anos. Deu risada, deu briga, deu casamento. Mas deu, mais do que qualquer coisa, muito orgulho, isso sim.
:: Gente, tudo bem? Tamos vivos aqui, tá. E nos cuidando. Aproveitando #tbt, olha o crossover de @thiagocardim e @rpichuebas que rolou neste episódio do @imaginasepega! #tomevacina #VivaOSuS #usemascara #ForaBolsonaro
:: RT @AnimaSomPod: Faça como o @thiagocardim e contribua também com nossa campanha do @catarse! 😄 Nos ajude a bater a meta de R$ 500 e tenha…
:: ...e olha só que o filho da @francineguilen e do @rpichuebas chegou no Twitter. Segue lá!
:: RT @imaginasepega: Não importa se você é padawan ou mestre Jedi. Este episódio do #podcast @imaginasepega é pra você, homenagem ao #StarWar…

Quem Somos | Ajude a Divulgar A ARCA!
A ARCA © 2001 - 2007 | 2014 - 2022