A ARCA - A arte em ser do contra!
 
Menu du jour! Tutu Figurinhas: o nerd mais bonito e inteligente dessas paragens destila seu veneno! GIBI: Histórias em Quadrinhos, Graphics Novels... é, aquelas revistinhas da Mônica, isso mesmo! PIPOCA: Cinema na veia! De Hollywood a Festival de Berlim, com uma parada em Nova Jérsei! RPG: os jogos de interpretação que, na boa, não matam ninguém! ACETATO: Desenhos animados, computação gráfica... É Disney, Miyazaki e muito mais! SOFÁ: É da telinha que eu estou falando! Séries de TV, documentários... e Roberto Marinho não está morto, viu? CARTUCHO: Videogames e jogos de computador e fliperamas e mini-games e... TRECOS: Brinquedos colecionáveis e toda tranqueira relacionada! Tem até chiclete aqui! RADIOLA: música para estapear os tímpanos! Mais informações sobre aqueles que fazem A Arca Dê aquela força para nós d´A Arca ajudando a divulgar o site!
Artigo adicionado em 19/02/2003, às 03:13

Review – METROID FUSION
Um jogo digno da série, mas tem lá suas falhas… Após quase oito anos sem um jogo da série Metroid, a Nintendo nos deu dois jogos no ano passado: Metroid Prime para o GameCube e Metroid Fusion para o Game Boy Advance. Metroid Fusion é a continuação direta do clássico Super Metroid do Super NES. […]

Por
Julio "R.Pichuebas" Almeida


Após quase oito anos sem um jogo da série Metroid, a Nintendo nos deu dois jogos no ano passado: Metroid Prime para o GameCube e Metroid Fusion para o Game Boy Advance. Metroid Fusion é a continuação direta do clássico Super Metroid do Super NES. E que continuação!

:: A HISTÓRIA

A história de Metroid Fusion é muito bem construída. Tudo começa com Samus voltando para o planeta SR388 em uma missão de pesquisa e sendo infectada por um parasita chamado X. Sua única salvação é uma vacina baseada nas células de uma forma de vida que já lhe deu bastante dor de cabeça, os Metroids. Logo que acorda, ela recebe um chamado de emergência de uma estação espacial em perigo.

O jogo tem uma forte ligação com Super Metroid e muitas vezes são feitas referências a jogos antigos da série (Para uma visão melhor sobre a história da série e desse jogo, clique aqui). Com mais reviravoltas na trama que Esperança escrita por Walcyr Carrasco, é um jogo que vai manter a sua atenção até o fim.

:: GRÁFICOS E SOM

Sem dúvida esse é um dos side-scrollers mais bonitos do GBA até hoje. A animação dos parasitas X mudando de forma bem como os gráficos dos diversos ambientes da estação espacial em perigo são muito bem feitos. Os personagens do jogo são muito bem animados, com destaque especial para os parasitas X, que tem um efeito pseudo-3D, e para a própria Samus, cujos movimentos estão perfeitos, em especial para o detalhe de que a sua arma sempre está no braço direito. Todos os truques estão aqui, desde sprite scalling até a movimentação linha a linha do sprite.

A trilha sonora assinada por Kenji Yamamoto, responsável pelas músicas em Super Metroid e Metroid Prime, é excelente, criando o clima certo para uma aventura no espaço e fazendo com que certas vezes eu prefira as músicas de Fusion às de Prime. Os efeitos sonoros estão excelentes, indo desde aos tradicionais tiros e explosões até os passos da heroína.

:: JOGABILIDADE

A série Metroid é famosa pela sua jogabilidade. Todos os movimentos clássicos estão aqui, como a Morph Ball, o Speed Booster, Space Jump e o Screw Attack (movimento que fez grande falta em Metroid Prime). As várias armaduras, como a Gravity Suit e a Varia Suit, também estão de volta, assim como os tradicionais blocos que só podem ser destruídos com determinadas armas.

Mas uma de suas grandes vantagens (grande diversidade nos diferentes níveis da estação espacial) também é uma de suas principais falhas. Os jogos da série são famosos pela liberdade de movimento, fazendo com que você se sinta em um grande nível ao invés de pequenas fases. Infelizmente este jogo muitas vezes te prende no nível que você está e, embora tudo que esteja fazendo seja para fazer com que a história fique cada vez mais interessante, de vez em quando você se sente frustrado por não poder voltar até um certo ponto anterior e tentar destruir um bloco especial com uma arma que você acabou de ganhar.

Outro ponto que foge um pouco do esquema original é o computador Adam. Adam lhe passa as missões que você deve cumprir, fazendo com que o jogo se torne muito mais ir do ponto A ao ponto B, perdendo aquela sensação de “para onde eu vou agora” existente nos outros jogos da série. Isso o torna mais fácil e amigável para pessoas que estejam jogando Metroid pela primeira vez, mas pode se tornar um pouco chato para os fãs dos antigos jogos.

:: COMENTÁRIOS FINAIS

Metroid Fusion pode ter algumas falhas, mas não deixa de ser um excelente jogo e altamente recomendado para fãs e novatos, durando cerca de 10 horas para terminar. Se o nível de dificuldade do jogo fosse maior com certeza seria um dos melhores da série.

O melhor do jogo ainda pode ser extraído caso o jogador tiver um GameCube, Metroid Prime e o Link Cable. Jogar Metroid Prime com a armadura de Fusion é interessante, mas ter o jogo original do Nintendinho não tem nem comparação. Infelizmente a ligação com Prime não beneficia Fusion, fazendo com que não existam muitos incentivos para jogar novamente além das tradicionais fotos de Samus sem a armadura. Quer uma dica para as fotos sem a armadura? Dê uma pulada na seção de Manhas e veja algumas dicas especiais para Metroid Fusion.

Leia mais:
:: Gostou? Aproveite e leia também o review de METROID PRIME
:: Conheça mais a fundo a história da heroína Samus e o universo de Metroid
:: E quem raios criou esse jogo? Conheça GUNPEI YOKOI

:: Escuta, vocês já foram dar uma olhada lá n'A ARCA? É, no site mesmo, no caso. A gente atualizou! O que isso significa? Ah, provavelmente nada, né. Mas vai que...? https://t.co/rJyLYOttuN
:: Sabe quem faz aniversário hoje? A ARCA!!!!!! 19 aninhos, bicho. E na melhor vibe tiozão do varejo, bom, quem ganha o presente é VOCÊ. Pois é, não tem jeito: vai ter mais podcast d´A ARCA. Tem episódio NOVO no ar, galerinha! ("galerinha" entrega a idade) https://t.co/LjOd8vveYX
:: Enquanto vc espera a turma d'A ARCA gravar outra edição do podcast (será?), escuta aí o @thiagocardim na edição desta semana do @imaginasepega.
:: ...hã, obrigado, eu acho.
:: PODCAST EPISÓDIO 2!!!!! Virge, eis que @thiagocardim, @paulomartini e @rpichuebas, retornam para falar sobre os projetos que não deram certo, as idéias que eram história e se tornaram lendas, lendas que se tornaram mitos. https://t.co/nNmew62FFn

Quem Somos | Ajude a Divulgar A ARCA!
A ARCA © 2001 - 2007 | 2014 - 2020